Idiomas

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

7 de janeiro de 2017

A Materialismo e o Crescimento do Desamor



 Um mundo onde as pessoas, sem generalizar estão sob a sombra do materialismo, desamor e da indiferença. Uma indiferença que percebo no tratamento que um oferece ao outro nas relações sociais do dia a dia. Lamentavelmente o materialismo tem  ganhado cada vez mais espaço. Observo com tristeza a forma com que muitos deixam para segundo plano, pessoas que tanto dizem amar, datas comemorativas que são únicas, a brisa do mar, bem como momentos fundamentais que nunca mais voltaram. Isso mesmo. Não voltaram. Infelizmente é em meio a esta realidade de desamor que vivemos nos dias atuais. Com base nisso que começo a tessitura do texto em pauta fazendo menção do valor a família, amigos, aos momentos e levar todos a refletirem que o dinheiro nunca foi e jamais será tudo, e da importância, sobretudo de se valorizar as relações humanas em busca de um mundo melhor onde as pessoas se escutam mais, se interajam e vivam uma vida verdadeiramente saudável.

  A correria frenética e desenfreada em busca do dinheiro e do sucesso tem feito com que milhões de pessoas se esqueçam do principal e com isso temos presenciado o esfriamento das relações humanas, no seio da humanidade. O que muitos não percebem é que apesar de o dinheiro ser a mola que impulsiona o crescimento da economia, bem como é o meio para que todos tenham uma vida mais confortável, jamais substituí e substituirá um afago puro e sincero. Nada paga um momento por mais rápido que seja, ao longo do dia, receber um telefonema e ouvir singelas palavras tais: Como você está? Eu te amo. Coisas tão simples, mas que fazem toda a diferença. Sabe caros (as) leitores, não existem desculpas para tais atitudes quando há amor verdadeiro. O problema é que as pessoas andam mergulhadas em um mar de preocupações, esfriamento consigo mesmo, individualismo dentre tantos outros problemas que acabam por esquecer que nada justificará a frieza com que se tratam, tratam o seu próximo e valorizam o bem tão precioso que Deus nos deu que é a vida. Coisas que ficam na conta do tempo, mas que cedo ou tarde paga-se um alto preço. Hoje muitas pessoas podem usar a desculpa da falta de tempo dentre outras coisas, como justificativa, mas existirá um tempo em que por terem tido como palavra de ordem em suas vidas, a desculpa, o preço será altíssimo. Nada refaz momentos simples, mas agradabilíssimos. Sem falar na atenção que se deve oferecer a Deus, independente de credo religioso. Até porque não prego aqui, sobre religião, pois de religião o mundo está cheio, assim como de hipócritas. Falo de Deus no sentido amplo da palavra até porque cada nação possuí a sua religião e entendimento particular acerca da espiritualidade. 

   Nos dias de hoje, mais do que nunca é muito importante que o ser humano se incline a entender o sentido da vida, como por exemplo: onde está e aonde deseja chegar. Contudo, jamais devemos deixarmos de sermos pacificadores,a fim de que, as relações humanas sejam harmônicas e produzam a tão sonhada paz. Que nunca, por conta do desamor no mundo e da violência a paz e o amor não sejam um sonho distante, mas sim algo, que seja buscado por cada um de nós incansavelmente. Tenham um excelente dia!!!


João Luciano Silva da Costa.