Idiomas

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

22 de dezembro de 2015

O Natal e os contrastes sociais



  Trata-se de algo muito vago, falar em amor, paz, felicidades e realizações se tais palavras não estiverem acompanhadas de atitudes. A atitude faz toda a diferença entre o que falamos e praticamos. De nada adianta, acompanharmos todos os anos as pessoas falarem as mesmíssimas palavras, se em contrapartida, percebermos o quanto falta no lar de milhões de pessoas que estão desempregadas e não saberão o que dirão a seus filhos diante da realidade cruel de não ter dinheiro para por dentro de casa sequer a comida. A situação é muito triste e requer o olhar atento dos governantes e da camada bem sucedida da sociedade.

Vivemos, infelizmente, em um mundo cuja humanidade é altamente consumista e que o sistema econômico vigente, o capitalismo, promove a compra como sinônimo de que dando presentes, estaremos demonstrando amor. Uma mentalidade tacanha e inaceitável. O amor e o verdadeiro sentido do natal passam bem longe de bens materiais. Muitos se presenteiam e encontram-se com magoas no coração, outros tentam suprir sua ausência dando o mais caro presente. Ah, amigos! Quanta imaturidade que muitas pessoas carregam de imaginar que um bem material seja capaz de preencher, um buraco provocado pela incompreensão de que as coisas que dão o verdadeiro sentido a vida e solidez as relações humanas não está no dinheiro, mas sim no amor.  Datas festivas e de muita importância afetiva para as famílias são utilizadas como um meio de manobra psicológica a fim de trabalhar na mente das pessoas a ideia de compra mesmo que estas não possuam necessidade em fazê-las. Em épocas natalinas, a meu ver, se apregoa de maneira absurda a necessidade de compra. Não sou contra ao consumo desde que o mesmo se dê de maneira consciente. Na minha concepção, falar em presentes e de fartura tem coerência quando tudo isto é pensado e trabalhado com uma mentalidade humanística, voltada para a conscientização das pessoas sobre a importância de gestos solidários, a promoção de campanhas voltadas para pessoas que sofrem sem ter o que comer e sequer um lar para morarem. Pessoas a margem de tudo e de todos, sem perspectivas de vida e com os seus sonhos apagados pelas desilusões sofridas ao longo da vida. Sei que é triste traçar um paralelo e notar o imenso contraste social no qual boa parte da humanidade está inserida, mas é a partir do chamamento para a reflexão e o debate construtivo que poderemos reverter este quadro de pleno abandono no qual está o povo menos favorecido em meio a tamanha desigualdade social. Pensar e discutir sobre as questões sociais é fundamental para a evolução socioeconômica de um povo. Hoje em dia, para vislumbrarmos uma relevante mobilização social precisamos mergulhar no passado e lembrar-se de um projeto que revolucionou e marcou a história: “O Natal sem fome”, projeto idealizado e posto em prática pelo saudoso e expoente sociólogo brasileiro: “Herbert de Souza”,  mas conhecido como Betinho. Homem que foi guerreiro e a frente de sua época. Solidário por natureza e que honrou até o fim, a essência de sua profissão de sociólogo. Um exemplo a ser seguido e que deixou para o Brasil e o mundo um legado chamado: amor ao próximo!

  Amor é uma palavra muito forte, linda e inebriante, mas quando não fica só no campo das palavras. Amor tem sentido quando alguém estende a mão ao seu próximo e quando o pratica de verdade. Entretanto, não há sentido no fazer por fazer. Faça sempre o bem a alguém com muito amor, sem, no entanto, esperar algo em troca. Semeie o bem e assim viveremos em um mundo mais justo e igualitário para todos, aonde o filho do pobre, seja ele negro ou branco não passará fome ou qualquer tipo de privação. Nenhum ser humano nasceu para viver de migalhas. Todos nós, indistintamente, temos direito a dignidade. Trata-se de um direito fundamental. Aproveito para agradecer a todos que prestigiaram e prestigiam o trabalho que desenvolvo aqui no meu blog, sejam do Brasil ou de todas as partes do mundo e, sobretudo, á Deus que até aqui tem me dado forças! Se Deus quiser, em 2016 terá mais! Desejo a todos um Natal repleto de saúde, paz, felicidades, de muito amor e um ano novo de novas e grandes realizações!!!



João Luciano Silva da Costa.