Idiomas

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

8 de novembro de 2014

Fundo do Poço: Sempre existe uma solução

  

   Para muitos talvez, passar por circunstâncias adversas ao longo da vida seja ter ou estar em um completo e obscuro fundo de poço, que mais parece não ter fim. Contudo, penso que, as adversidades que surgem no decorrer de nossa caminhada, são altamente significativas, pois de tudo se extrai uma experiência positiva e construtiva. Os momentos avessos nos levam a fazermos uma ampla análise sobre as escolhas que fizemos, estamos ou ainda faremos, sem no entanto, deixar de ver e rever uma série de parâmetros até então desprezados ou simplesmente não percebidos. Isso sem dúvidas é elementar por mais doloroso que seja, e certamente contribui para que cresçamos, enquanto seres sociais em todos os aspectos da vida, bem como tornemo-nos ainda mais fortes. 

  Na minha concepção, as vicissitudes cotidianas nos proporcionam um aprimoramento interno no que refere-se a reflexão e externo quanto a percepção, assim como promove também a evolução social e espiritual, independente de credo religioso. Entretanto ao ir mais fundo nesta análise os pontos até aqui discorridos ganham mais relevo porque é uma oportunidade ímpar de percebermos os que são e os que não são nossos verdadeiros amigos, assim como os que dizem nos amar e os que nos amam de verdade. Não que sejamos ingênuos a ponto de não termos sensibilidade para tal  percepção, mas porque na verdade, quando uma pessoa está no que cunho chamar de "lama", seja da pobreza, desemprego, depressão, síndrome do pânico, em um leito de um hospital, desiludido por tudo e todos, solidão etc, só ficam ao nosso lado os que de verdade honram a essência das palavras amizade e amor. A análise de todos os aspectos descritos, permite que façamos uma viagem para dentro de nós mesmos. Embora tal viagem, muitas vezes não seja nem um pouco agradável, esta transporta-nos para uma profunda e pertinente reflexão sobre princípios e valores e, sobretudo, o quanto é importante ter gratidão para com todos que nos momentos mais dolorosos de nossas vidas, ficaram ao nosso lado, exercendo um papel altamente importante, o da compaixão. Gesto que reputo como altamente nobre.

 Amparando-me em tudo que discorri sobre o tema em pauta, infelizmente percebo que o emprego das palavras: Meu irmão (a), Meu amigo (a) ou meu amor são, salvo exceções, faladas em vão, ou seja, da boca para fora. Sem generalizar claro. Isto faz com que as referidas palavras entrem no campo da banalidade e percam o impacto de sua verdadeira  essência. Longe de mim fazer aqui, uma apologia a não demonstração de carinho. Eu amo demonstrar carinho e que demonstrem o mesmo para comigo. Até porque as demonstrações verbais e concretas, e quando refiro-me a concretas falo de atitudes como: respeitar, tratar bem e valorizar devem serem oferecidas em vida. O que está em voga aqui não é isso, mas sim a sinceridade com que se falam tais palavras.  O que é verdadeiro é lindo de se falar e ouvir, desde que seja do fundo do coração. A todos do Brasil e do mundo, fica a minha mensagem de que felizmente ainda existem pessoas sinceras e desprovidas de interesses, e sobretudo, prontas para lhe oferecer todo o amor do mundo. Outra coisa: Apesar de terrível, chegar ao fundo do poço nos faz percebermos que não estamos no fim, mas no início  de um novo ciclo de vida, pois passamos a vê-la de uma forma mais evoluída, sem frescuras e apegos materiais. Resumo: Tornamos-nos seres melhores. Reflitam e tenham um excelente dia.




João Luciano Silva da Costa.