Idiomas

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

23 de dezembro de 2013

O natal dentro contexto atual

 A cada ano que passa, tenho observado com tristeza que a essência do natal, tem dado espaço para o materialismo e o consumismo exacerbado. Antes muitos se cumprimentavam, desejando boas festas uns aos outros, Deus, independente de credo religioso, era enaltecido e o amor formavam os fundamentos que alicerçavam e consolidavam a data, que ao contrário de hoje, era comemorada a altura. 

 Atualmente não tenho visto nos olhos de muitos a estampa do amor desinteressado, pureza de alma, preocupação para com os menos favorecidos e a gratidão sequer do que se tem a mesa para alimentarem-se. Na minha concepção, o amor esfriou-se, sem, contudo, dizer que em alguns casos, infelizmente, nem existe, pois nutrir este tão lindo e benéfico sentimento é como a manutenção que fazemos de pensamentos positivos, ou seja, temos que mantermos a chama acesa o tempo inteiro. Ao contrário do que muitos pensam o verdadeiro espírito natalino não está em receber presentes, montar uma árvore de natal, assim como compor uma mesa farta. Digo isto, porque se tratam de coisas simbólicas e efêmeras, ou seja, passam rápido. O natal verdadeiro transcende a coisas passageiras e simbólicas, exatamente porque é olhar para os lados e tentar amenizar as dores dos que nada possuem, é amar de verdade, ter lealdade, união familiar, humildade e a nobreza interior de ser feliz com coisas simples, pois não está na ostentação e suntuosidade de festas a felicidade, mas sim nas atitudes que todos deveriam ter em relação a seu próximo. Milhões de pessoas na noite de natal estarão sem alimento, agasalho e enfim o básico necessário, para sobrevivência  e de outro lado muitos se encontrarão desprovidos de carinho, por não terem uma família, deixados em orfanatos, outros em hospitais, asilos ou debaixo de marquises esquecidos pela humanidade. Friso, contudo, que as boas atitudes não devem serem realizadas somente em épocas festivas. O bem deve se feito sempre e para todos, sem qualquer distinção. O saudoso sociólogo brasileiro: Herbert José de Souza, mas conhecido como Betinho, sabia bem disso. Um homem que deixou um legado, que infelizmente não perdurou por muito tempo, dentre os quais, o principal que era: “natal sem fome”, campanha que angariava alimentos, e que supria a necessidade de milhares de famintos por todo Brasil. Por gentileza, assistam ao vídeo abaixo:


 Não raro também, pessoas nesta época, guardam em seus corações magoas e uma série de coisas maléficas, mas, no entanto, continuam a enganarem-se, por meio da máscara da hipocrisia com gestos de falsidade. Todos os que possuem a capacidade de pedirem perdão e de perdoarem, reconhecerem seus próprios defeitos e os tomarem como meios para a transformação de suas realidades demonstram humildade e nobreza de espírito. Desejo que todos do Brasil e do mundo tenham um natal de reflexão, paz, felicidade e que o verdadeiro espírito natalino seja reacendido nos corações. Aproveito, desde já para agradecer o imenso carinho dispensado por todos ao meu blog e as minhas outras páginas, bem como faço sinceros votos de que o ano de 2014 seja repleto de maravilhosas realizações para todos. 


João Costa.