Idiomas

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

1 de dezembro de 2013

Imprudência no trânsito e a impunidade


  Não é de hoje que observamos um aumento alarmante, de acidentes de trânsitos no brasil, motivados quase sempre pelo sono ao volante, consumo de bebidas alcoólicas e não raro a presença de drogas, o que gera a cada ano, um quantitativo de milhares de vítimas dentre jovens e adultos. Temos ainda o agravante da falta de rigor das leis e a consequente propagação da impunidade. Assistam por gentileza, ao vídeo abaixo:


  Atualmente, para uma pessoa conseguir adquirir sua carteira de habilitação no Brasil, há a exigência do preenchimento de inúmeros requisitos, como: provas teóricas, aulas praticas, exames psicotécnicos e diversos outros. O intuito é detectar se a mesma, tem plenas condições para dirigir um automóvel. lamentavelmente isso não tem sido suficiente para evitar os desastres, que assolam milhares de famílias todos os anos. As vítimas são os próprios condutores e seus conduzidos e quando não, pessoas que andam nas ruas e que inocentemente ou por falta de atenção o que é pertinente frisar, acabam sendo de maneira torpe tendo suas vidas ceifadas. A legislação não é  rigorosa. Digo isto, pois não há em um país  sério e que possua rigidez, a baderna existente. A utilização de bafômetro, instrumento utilizado para verificar se um indivíduo tem teor alcoólico, diga-se de passagem, é muito insuficiente, pois do que adianta a verificação, se no ato da punição a lei não funciona como deveria e a mortalidade continua aumentando. Precisamos de políticos que honrem os seus papéis e  da parceria de magistrados com mãos pesadas na aplicação das leis, pois só assim poderemos vislumbrar um futuro melhor.

 O problema é que vivemos em um país constituído por uma corja de políticos corruptos, salvo suas pouquíssimas exceções, um sistema  judiciário deficitário e que só funciona para ricos, pois é o que acontece. Não adianta que digam o contrário, pois diante dos fatos, ouvir juristas ou qualquer autoridade do seguimento dizer que a justiça é igual para todos, beira o campo do surrealismo. Reflitam e tenham um ótimo dia.



João Costa.