Idiomas

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

12 de junho de 2013

O amor e a importância da razão

 Um sentimento lindo capaz de tornarmo-nos mais felizes, porém é preciso passar por um longo e minucioso processo de análise antes que o exerçamos plenamente. Talvez muitos se perguntem: Como assim? Simples. Antes de qualquer envolvimento, se faz necessário que usemos a nossa capacidade de raciocínio e não a emoção. Muitos se utilizam da emoção nas escolhas que fazem e fatalmente depois apercebem-se de que cometeram os piores equívocos de suas vidas tanto no plano amoroso quanto em outras áreas de suas vidas.

 Infelizmente milhares de pessoas padecem em razão da grande carência existente no contexto atual. Sem generalizar, hoje por exemplo no Brasil lamentavelmente não há mais como houvera a alguns anos atrás o tradicionalmente conhecido "namoro", mas sim o termo que popularmente se convencionou como: “Ficar”. Ou seja: A pessoa fica com um hoje e depois com outro, o que a exime de qualquer compromisso. Isto posto. A cultura da construção de uma base familiar foi deixada literalmente para segundo plano. Penso que outra questão que deve ser considerada é a carência e o amor, tendo em vista que são sentimentos totalmente distintos. Muitos em face de suas desilusões ou solidão confundem tais sentimentos. A emoção faz um indivíduo ter somente a percepção do esteriótipo físico e a perspectiva ilusória, já a razão levam os mesmos a pesarem as atitudes da pessoa supostamente tida como a certa para um sólido relacionamento. Agirmos com a razão por si só transcende todo e qualquer paradigma de vida, pois nos fazem analisarmos inclusive a relação que a pessoa amada tem com os seus pais, o que é um dos fatores elementares na escolha. Na minha concepção, tanto os homens quanto as mulheres que não são bons filhos, certamente não serão pessoas ideais para um relacionamento sério, contudo ainda temos que levar em conta os ideais, afinidades e sobretudo o caráter da mesma. Existem os que passam a imagem de ovelhas e são mentirosos. São inúmeros os relatos de pessoas que cometem adultérios e uma série de coisas erradas por meio de redes sociais e etc. Utilizam perfis diferentes e por aí vai. Por esta e diversas razões que deixo a seguinte dica: Usem sempre o raciocínio, pois isto os levarão a construírem um relacionamento sólido e feliz.

  Caros leitores existem casos e casos. Sobre o tema em pauta, não quero tecer minhas idéias de maneira generalizada porquê ainda existem milhares de pessoas maravilhosas neste mundo e sobretudo fiéis. A única coisa que procuro levar ao entendimento de todos é a importância da valorização da análise para os que desejam um relacionamento sério. Reflitam  e tenham um ótimo dia!





João Costa.