Idiomas

English French Spain Italian Portuguese Japanese Chinese Simplified

14 de março de 2019

A Tragédia de Suzano e a Violência no Brasil

  Na manhã, do último dia 13 de março, tivemos o fatídico atentado que, segundo a "Secretária de Segurança Pública do Estado de São Paulo", vitimou um total de 10 mortos dentre os quais, os dois autores do atentado e 11 feridos, na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na grande São Paulo. As vítimas tinham entre 15 e 59 anos. Uma verdadeira barbárie que está longe de ser um caso isolado. A violência tem ganhado corpo cada vez mais nos últimos anos, e cabe aqui, fazer uma análise reflexiva desta questão. Seja, em São Paulo, no Rio de Janeiro ou em qualquer cidade do país, em menos ou grande proporção dada a proliferação exacerbada da violência entre jovens e pessoas de todas as idades é preciso um olhar muito atento das autoridades. Vivemos tempos difíceis, onde a cautela e o amor não são as palavras que imperam de fato e de direito.

  Os poderes judiciário, executivo e legislativo precisam juntamente com a sociedade civil abrir um debate público, a fim de que, encontremos uma saída para elucidação dos fatos e a erradicação da violência em nível nacional. Trata-se de uma questão de suma importância e de utilidade pública. Discute-se de maneira leviana, sobre a liberação de armamento, diminuição da maioridade penal sem sequer submeter todo o contexto a uma fria análise. Não adianta no afã do momento, criar medidas que em nada contribuam para o progresso do país. O grande problema, é que, durante anos a educação foi deixada em segundo plano, pelos governantes e nesta direção as crianças foram crescendo e as consequências são inevitáveis. Não dá para ignorarmos que o estado falhou e tem falhado, assim como muitos pais e mães que, passaram a afrouxar a cobrança e o rigor com que tratam os seus filhos. Atualmente, as crianças são criadas soltas sem um direcionamento. Logo, o que esperar de uma juventude que era para ser o futuro da nação?? Há que se ter a parceria entre o estado e a família por meio da escola. Não adianta projetar para o estado toda a culpa das mazelas sociais. A educação começa em casa. Sabemos que os tempos são outros, mas entendemos também que existe uma palavra que, a meu ver, encaixa-se perfeitamente neste contexto, a adequação! Novos tempos, novas medidas e tratamento a altura para a situação atual. Uma lástima o que estamos acompanhando. A questão é mais profunda do que se pode imaginar, pois a violência reside em milhões de pessoas a partir da falta de palavras que fazem toda a diferença no dia a dia, tais como; bom dia, por favor e obrigado. O amor pelo próximo tem se perdido e não é de hoje. As pessoas, sem generalizar, estão cada vez mais, distanciadas umas das outras e de si mesmas. Não há um entendimento pleno de que, nós seres humanos, temos a nossa plenitude quando agimos com empatia, ou seja, quando possuímos a capacidade de colocar-se no lugar do outro, quando fazemos pelo nosso próximo o que queremos que façam por nós. Parece que falar deste tema fazendo uma análise antropológica das relações sociais é algo que afasta-se do sentido, mas tem tudo a ver, pois sabemos que, enquanto não houver a conscientização sobre determinados valores deixados para trás, por conta de um pseudo avanço não conseguiremos atingirmos o progresso que tanto almejamos. Quando falo, pseudo avanço, é no tocante ao desenvolvimento de tantos segmentos da tecnologia. A despeito do desenvolvimento tecnológico, parece-me que, temos tido avanços e retrocessos e quando há mais retrocesso humano e avanço das máquinas é preciso que, nós comecemos a nos preocuparmos e muito com todo o contexto, e não apenas com parte dele. As questões aqui, discorridas buscam abranger a essência dos fatos e levar todos a reflexão sobre o sentido que temos dado a vida e de como estamos nos tratando e tratando o nosso próximo.

  A cultura de paz é algo muito bonito de se ouvir e ler, mas a harmonia que produz a paz encontra-se no exercício do amor incondicional ao próximo. Deixo o registo dos meus mais sinceros sentimentos de pesar, a todos os familiares das vítimas, e a todos os moradores de Suzano.



João Luciano




8 de março de 2019

O Dia Internacional da Mulher e a Atualidade


 Todos os anos escrevo um artigo sobre as mulheres e sinto-me muito lisonjeado por isto. Discorrer sobre a importância das mulheres e as gerações, dentro do contexto social é algo maravilhoso. Sei que ainda falta muito a ser feito e muita coisa a ser conquistada, mas certamente, é um fato mais que notório o quanto as mulheres conseguiram prosperar neste sentido. A mulher, atualmente, ocupa postos nos mais altos escalões dos poderes e não é para menos. Elas têm potencial e jamais deveriam ter sido proteladas como ocorria no passado. A "Constituição Federal Brasileira  determina em seu artigo 5º inciso I" que, homens e mulheres são  são iguais em direitos e obrigações, porém o que vemos é que na prática isto não passava de uma grande falácia. O que fez com que as mulheres se notabilizassem foram suas lutas e ideiais. Todavia, infelizmente, o Brasil vivencia uma realidade cruel e inaceitável quando o assunto é a violência contra a mulher. Temos leis emblemáticas, como a própria "Lei Maria da Penha", mas ainda precisamos de muita evolução neste sentido. Diante do contexto, atual, temos visto, as mulheres serem esbofeteadas, deformadas e até assassinadas por seus companheiros. Um absurdo que precisa ter fim. 

   Não adianta que apenas falemos e noticiemos os acontecimentos, mas sim de que haja uma efetiva mobilização para a concretização de anseios que acabam ficando no campo da subjetividade e do total esquecimento com o passar do tempo. O debate público é fundamental e o poder judiciário dentre tantas outras instituições, precisa dar apoio a esta nobre causa em defesa das mulheres e, sobretudo do bem comum. Não há como imaginar um país e um mundo igualitário com discriminações. Ao passo que vivemos a Era do avanço cada vez maior, da tecnologia deparamo-nos com um retrocesso abissal das relações humanas em diversos aspectos. Trata-se da necessidade de que tenhamos apenas um momento de reflexão para compreender o quão simples, mas ao mesmo tempo tão complexo, é tratar de qualquer temática ligada ao ser humano que tangencie ou divulgue algo no sentido do encontro com a evolução. Só sei que, dentro de todas as nuances, sensos e contrassensos um fato é irretorquível, inquestionável, as mulheres são maravilhosas. Ressalto que, a bem da verdade, sem generalizar, as mulheres nunca foram valorizadas como deviam pela história. Algumas são maltratadas por meio de agressões físicas, verbais e outras são trocadas pelo trabalho. Quantos e quantos maridos optam pelo trabalho em detrimento da solidão de suas esposas. Depois de alguns anos ou de muitos anos despertam para dar valor a algo que não souberam cultivar, o amor! Ao deparar-se com tal realidade resolvem mudar da noite para o dia a fim de tentar reconstruir o que já foi ceifado, levado pelo tempo. Por isto, nunca deixe de valorizar a mulher que está ao seu lado, mas não reclame das escolhas que, porventura tenha feito e se o amor que diz a ela sentir, já não o for mais, correspondido. As mulheres são uma flor de candura, sem falar que, são o meio para a concepção da vida, da criação e de todo o acompanhamento a ser dado a sua prole, filhos. Lembro-me da maneira como fui criado por minha saudosa avó paterna: "Brasilina Maria de Jesus Costa", destaco a grandiosidade do caráter que ela tinha, da postura elegante, da firmeza ao falar, em decidir as coisas, em ser uma mulher destemida para a sua época e que neste sentido possuía e possuí tanto valor por meio de seu legado. Deixou-me um legado incomensurável, o de tornar-me o homem que sou. Fico feliz de ter tido como retribuir o que ela fez por mim em vida. Daí o destaque para o “ Dia Internacional da Mulher”, e para a importância de seu papel dentro do contexto social e na atualidade.

  Diante do exposto, o que dizer, senão aplaudir a todas as mulheres do Brasil e do mundo nesta data tão importante!!!



João Luciano




2 de março de 2019

A Depressão, suas Nuances e a Importância da Superação


 Muitos podem achar, mas os achismos jamais sobrepujam a realidade dos fatos. A que se distinguir tristeza de depressão e dar a cada uma o devido peso. Milhões de pessoas vivem a depressão em todo o mundo e, infelizmente, percebe-se que boa parte dos dados de depressão parte de países desenvolvidos. Há os que questionam como que países que possuem uma boa economia e tantas outras benesses, possuem cidadãos acometidos por depressão. Em linhas gerais, só quem viveu ou está vivendo a depressão pode dizer com propriedade o que está sentindo. Vejo pseudointelectuais divagarem sobre uma questão e outra, como tantos outros discorrem sobre questões sociais, tais como a fome e a miséria e só entendo que, podemos falar sobre o que vivemos na carne. Óbviamente que, um catedrático pode falar a respeito de questões que sejam da sua área de especialidade, mas só quem viveu ou vive tem  e terá a propriedade para falar com sentimento e expertise sobre tal temática. Assistam abaixo, um documentário sobre  "A Depressão", produzido pelo  programa "SBT Repórter" apresentado pelos repórteres; Ulisses Rocha e Rodolpho Gamberini:


         

    Vivemos em uma sociedade preconceituosa que não está acostumada a lidar com a depressão e nem muito menos com os limites do próximo. As pessoas, sem generalizar de cara já taxam o seu próximo de algo, desprezando o que este possa está sofrendo. Sem ao menos perceber empaticamente que, todos somos seres humanos, portanto, constituídos de carne e osso. Partindo da premissa de que somos humanos entendo que por mais equilíbrio que tenhamos podemos de uma hora para a outra perdermos a paciência alguma vez na vida. Debrucei-me a entender e a estudar o comportamental humano a fim de levar a todos uma certa conscientização acerca de um tema que me é muito caro. Tenho o hábito de observar as pessoas e procurar extrair delas o melhor que elas possuem e ao fazê-lo vejo que muitas vezes a vida poderia ser bem melhor se houvesse um olhar empático com relação ao próximo. Ou seja, que todos se colocassem no lugar do outro. Escutar o outro faz bem e quando digo ouvir o outro é procurar entender a nós mesmo visto que, a meu ver que, o meu próximo é a extensão de mim mesmo. Escrevo há tantos anos e deparo-me com situações diversa! Situações que fazem com que a minha veia jornalística pulse de modo intenso, a ponto de projetar-me a sair à procura de informações coerentes para levar a humanidade a refletir sobre os seus atos. Não faço só sobre o que pesquiso, mas procuro sempre inserir um pouco do que já vive ou vivo como ingrediente principal para endossar e, efetivamente, ajudar de alguma maneira os que precisam. Desde bem pequeno eu era assim e hoje sinto isto de maneira ainda mais potencializada nas minhas veias. Falo da dor ou das dores do próximo entendendo o que este, porventura está vivendo. Sempre tive vontade de dar palestras sobre estes assuntos por perceber a relevância da questão. Vivi dentre tantas coisas a depressão e na sua fase mais aguda e nem por isso morri. No entanto, digo a você, meu caro, leitor que não é nada fácil!! Só quem sente é que sabe e quando você vai buscar ajuda em seu próximo você percebe o quão egoístas, muitos o são no trato com a questão. A respostas mais comum é a de que este tem problemas e não possuí tempo. Realmente nunca vou entender essa resposta. Parece uma competição sobre quem tem o maior problema quando na verdade, muitos só querem desabafar com o outro a dor que o consome e que, por vezes, o sucumbe deixando-lhe apático e sem forças para continuar. O aprendizado da vida mostra-nos que tudo passa, que a vida é curta demais e que não há tempo para soberbas, acidez, ódios, egoísmos e intolerância, pois precisamos exercitarmos o amor ao próximo para construirmos um mundo melhor. Do contrário nada será possível. Procure tratamento contra a depressão. Trata-se de uma patologia e que tem tratamento. Ressalto, sobretudo a importância da fé, independente de credo religioso!!!

  Reflitam sobre a essência da vida, o sentido que dão a cada instante, a atenção que dispensam ao seu próximo e como dentro deste contexto você está contribuindo de modo eficiente para o bem e a evolução humanitária. 



João Luciano


24 de fevereiro de 2019

A Ditadura da Beleza e os Dilemas de um Crime

   Vivemos em meio a contexto onde o ser perdeu lugar para o ter, infelizmente, e nesta direção percebo o quanto que a estética tem ganhado espaço nos últimos tempos. Nada contra. Muito pelo contrário se o ideal a ser vislumbrado é ter um visual melhor desde que isto não influencie e aprisione um ser dentro dele mesmo. O ser humano precisa antes de estar bem por fora lapidar o seu interior. Trata-se de uma questão fundamental. Aliás, quem não cuida de seu interior não é capaz sequer de entender o sentido de sua existência e acaba vivendo por viver. O aumento de intervenções cirúrgicas por conta de um padrão de beleza tem sido algo buscado por milhões de pessoas. Nesta direção, temos um médico: Denis Furtado, mas conhecido como Dr. Bumbum e uma vítima: Liliam Calixto de 46 anos. Crime que precisa ser apurado. Muitas vezes, o que estas pessoas não medem, é o alto preço que podem  pagar por uma mudança no corpo, o que a rigor, acaba custando em alguns casos a própria vida. Assistam abaixo, por gentileza, a cobertura feita pelo programa: "Conexão Repórter" do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), apresentado pelo brilhante colega jornalista: Roberto Cabrini:

                                                               
  Ao adentrar em um episódio que foi e tem sido discutido amplamente pela mídia e pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, fica ainda mais evidente os cuidados que as pessoas devem ter ao buscarem por cirurgiões plásticos. O paciente que por assim dizer, comprar um pacote de mudanças de seu exterior, sem minimamente, analisar se precisa realmente passar por tal procedimento. Muitas vezes, isto está ligado a procura por um elixir da felicidade por meio de uma aparência rejuvenescida e na maioria dos casos em razão de uma crise de identidade, falta de aceitação de si mesmo dentro da sociedade, por conta de um exibicionismo descabido e, portanto, sem fundamentos dentre tantas outras hipóteses a serem que questionadas e trazidas à baila. Falar de um assunto como este não é fácil, pois envolve egos. Ou seja, a meu ver, de uma vaidade incansável e porque não dizer insana. Insana no tocante à por conta de uma suposta beleza, um indivíduo imaginar-se mais importante, quando esta importância deveria ser um requisito primordial antes de qualquer mudança superficial. De um lado temos médico que está sendo investigado: Denis Furtado.  De um outro lado, temos a Liliam Calixto, supostamente vítima de uma negligência médica que já está em processo de apuração. Os fatos precisam ser apurados, rigorosamente, e o autor e porventura coautores devem ser punidos na forma na lei. Para todos fica a lição e a reflexão sobre a ditadura da beleza, até que ponto vale a busca por uma aparência superficial, a cautela em escolher o médico que fará o procedimento, procurando analisar a situação do profissional junto ao CRMConselho Regional de Medicina e a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, tão bem representada pelo seu presdidente, o renomado a nível nacional e internacional, meu amigo, o cirugião plástico: Dr. Níveo Steffen. Trata-se de uma fatalidade e é inaceitável que questões como estas aconteçam. 

  A beleza exterior jamais pode sobrepujar a essência da beleza interior. Devemos sempre olharmo-nos no espelho e fazer um autoquestionamento sobre o que vemos, pois, traumas, a necessidade de se auto afirmar como o tal ou a tal dentro do contexto social chega à beira da mais absoluta alienação mental de um ser humano que procura a todo o custo ser ou tentar mostrar o que não é. Excelente reflexão a todos!!



João Luciano





11 de fevereiro de 2019

O Jornalismo Brasileiro está de Luto

 Hoje, o Brasil encontra-se mais triste, com a perda de um dos maiores expoentes do jornalismo nacional e porque não dizer internacional, o grande jornalista, apresentador e radialista: "Ricardo Eugênio Boechat" de 66 anos, mas conhecido como Ricardo Boechat. Ele marcou e deixará marcada a história. Foi um dos maiores profissionais de mídia de todos os tempos. Um modelo seguido e admirado por todos.  A meu ver, um dos mais exímios arautos da notícia, pois levava com seriedade e imparcialidade a informação dos fatos a nível estadual, nacional e internacional. Conhecido pela sua cultura, postura combativa e de muita luta em defesa da igualdade social, liberdade de expressão e da liberdade de Imprensa. O que falar diante de tantas tragédias e perdas como estas?  Segue abaixo, a emocionante homenagem prestada por toda a equipe da Rede Bandeirantes a Ricardo Boechat:

                                           
  O corrente ano de 2019 tem o seu início marcado dores. Escrevo há anos e encontro-me sem muitas palavras para descrever tal perda, a não ser enumerar as qualidades que são muitas deste eminente profissional. A imagem acima, foi feita pelo fotógrafo Rodolfo Buhrer. Ricardo Boechat foi um colega de profissão que, certamente, figurou, figura ,e sempre, figurará entre um dos maiores exemplos no âmbito da comunicação. Ele deixa um vasto legado e a forte contribuição de um ideal de jornalismo voltado a atender os interesses do povo que não têm voz. O jornalismo brasileiro perde não só um profissional de relevo, mas sobretudo um ser humano incrível. Boechat possuía uma estupenda articulação e bom humor ao transmitir os fatos, a fim de fazer com que, o ouvinte e telespectador pudessem desfrutar de momentos de alegria mesmo diante de informações, nem sempre ,agradáveis. Sem falar que, ele fazia o povo que lhe era cativo, sentir-se acalentado com a sua maneira  de comunicar. Ricardo Boechat, para muitos que não sabem, nasceu na Argentina. Ele contribuiu de maneira ímpar e proficua para com todos, sejam os novos ou mesmo veteranos que sempre aprendiam com ele. O prestigiado, premiadíssimo e, sobretudo humanista jornalista provoca comoção entre colegas, amigos, familiares e todos os brasileiros. Uma perda irreparável.  Procurei ater-me em fazer um artigo em homenagem. Não farei um artigo com informações que já constam nos maiores portais de notícias do país e do mundo. Na qualidade de jornalista e escritor cabe-me aqui, fazer o registro da importância dos seres humanos Ricardo Boechat e do piloto: Ronaldo Quattruci. Penso que, a vida é uma mera passagem e a cada momento de várias formas, a vida, mostra-nos o quanto que, o tempo é precioso e não volta. Infelizmente, estes momentos, acabam por levar-nos a uma densa reflexão sobre o sentido que damos a muitas coisas. Sempre!

  Lamento esta irreparável perda e solidarizo-me com os meus mais sinceros sentimentos, a todos os colegas, amigos, familiares e brasileiros que sentem e ressentem-se neste momento pelas perdas do grande jornalista Ricardo Boechat e do piloto Ronaldo Quattruci!!! Reflitam! 



João Luciano


31 de janeiro de 2019

Brumadinho sob a Lama do Descaso e o Crime Ambiental


 Na foto ao lado é nítida a ação emocionante dos bombeiros, submersos a  um lamaçal, na busca por vítimas no Córrego do Feijão em Brumadinho. Foto de Alexandre Guzansshe/EM/DA Press. Ao analisar cada nova informação que surgi após o trágico rompimento da barragem de Brumadinho, município de Minas Gerais, é inevitável não raciocinar e constatar o crime destas empresas e do poder público. Crime de negligência. Penso o quanto tantas coisas poderiam ser evitadas se não fosse a ganância humana, motivada pelo capitalismo desmedido de empresas que passam por cima de tudo e todos em nome de um papel chamado dinheiro. Em que ponto chegamos! Lastimável que isto tenha acontecido, famílias dizimadas, crianças, jovens, adultos e idosos que perderam a oportunidade de viverem, fazerem planos e de sonhar um Brasil melhor. Até o momento o número de vítimas é de aproximadamente 84. Inaceitável. Assistam abaixo, por gentileza, a cobertura exclusiva  feita pelo programa: "Conexão Repórter" do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), apresentado pelo brilhante colega jornalista: Roberto Cabrini:


  No último dia, 25 de janeiro do corrente mês, fiz a cobertura da tragédia de Brumadinho como segue o link: https://jluciano442.blogspot.com/2019/01/465-anos-de-sao-paulo-e-fatidica.html e, hoje, decorridos estes dias volto a falar sobre o tema, mas sob o enfoque de que precisamos combater todas as formas de manipulação escusa e criminosa de empresas que por possuírem bilhões acham-se acima de tudo e de todos. Por outro lado, temos o desleixo do estado que através de governantes que não representam o seu povo, nos enojam com discursos infundados e que em nada solucionarão o que já ocorreu, pois não trarão vidas de volta e muito menos reconstruirão a cidade da noite para o dia. Perdas irreparáveis e a constatação do descaso das autoridades públicas e da inciativa privada que manipulam estas minas. Uma realidade cruel que ainda assistimos no Brasil. Uma vergonha. Fico revoltado com tais questões e recuso-me a aceitar qualquer explicação destas autoridades que vão a público com discursos vazios quando na verdade deviam e podiam ter evitado tal tragédia dada a gravidade e o que aconteceu em Mariana. Negligência, crime ambiental, desleixo e insensibilidade para com um povo simples e batalhador. Algo a ser refletido e cobrado das autoridades na esfera dos poderes judiciário, executivo, municipal a nível estadual e federal. Não irei ater-me a dados estatísticos já que, são inúmeros os sites e meios de comunicação que o fazem. Não posso deixar de manifestar aqui, a minha admiração por todos os bombeiros que de maneira extraordinária realizaram e realizam seus trabalhos! No Brasil, infelizmente, os bombeiros, professores, e tantos outros profissionais não são valorizados, como deveriam. Uma falta gravíssima das autoridades públicas, mas na qualidade de jornalista, escritor que trabalha há anos na seara da informação dirigi-me a tais profissionais e agradeço a todos pelo brilhantismo com que trabalharam e trabalham em prol da sociedade. Vocês, bombeiros, são um dos maiores orgulhos de todos nós, brasileiros. Aproveito o ensejo, para solidarizar-me mais uma vez com todos os famíliares e amigos das vítimas!! Deus, independente de credo religioso, os conforte. 

  Diante do exposto, fica a reflexão sobre todos fatos, meus mais sinceros sentimentos de pesar aos familiares e amigos das vítimas e o meu pedido aos novos governantes de que apurem minuciosamente, a concessão dada as empresas envolvidas e que estas empresas sejam punidas, rigorosamente, na forma da lei. 



João Luciano


25 de janeiro de 2019

465 anos de São Paulo e a Fatídica Tragédia de Brumadinho

  São Paulo, o coração econômico do país, completa hoje, 465 anos. Um estado marcado por uma história de incomensuráveis conquistas e muita superação em meio à atual crise econômica. No entanto, ao mesmo tempo que faço esta constatação projeto-me para Brumadinho, BH (Minas Gerais). Depois de Mariana temos agora, o dilema que envolve segundo os bombeiros em informação dada ao "G1 (Portal  de Notícias da Globo)",  três barragens na mina conhecida como: "Córrego do Feijão". Este dilema está sendo enfrentado pelo município de Brumadinho que, até o momento já provocou inúmeras vítimas. Sem falar dos familiares que estão a espera de notícias das vítimas desaparecidas. Uma calamidade. Em tela, foto mostra casa submersa em um verdadeiro lamaçal. Foto da Rede Globo. O Brasil teve sua tarde marcada pela trágica informação do desmoronamento da barragem de rejeitos minerais no supra munícipio. Isto leva-nos a uma densa e pertinente reflexão. 

 Refletir sobre os fatos é fundamental, haja visto que, sem uma apurada análise não temos como adquirir os avanços  necessários. Apesar de tratar-se de uma barragem estamos falando de algo que foi provocado por uma ruptura e em se tratando de ruptura, prevenção etc podemos dizer que não só Minas Gerais, mas São Paulo e tantos outros estados padecem da falta de atenção das autoridades para com as questões ligadas a prevenção e segurança. Cidades que cresceram de modo desordenado e consequentemente possuem em seu bojo grandes probabilidades de serem acometidas por acidentes de ordem natural ou não. Em, 05 de novembro de 2015, portanto, há três anos, tivemos o rompimento da barragem do fundão, em Mariana, que provocou a morte de aproximadamente 19 pessoas. Com mais este rompimento, o que se percebe é que os governantes não aprenderam com tais acontecimentos. Precisamos que o estado seja estratégico e não socorrista. Agora, surgirão diversos profissionais da área para darem as suas análises sobre o tema, porém o essencial é que medidas efetivas sejam tomadas a fim de que tais tragédias não sejam reincidentes. Chega de tanta negligência. Até quando precisaremos assistirmos, perplexos, casos como estes para que algo seja feito? Na minha concepção é um fato inaceitável e que precisa ser passado pelo crivo da justiça. Os governantes públicos e a inciativa privada por meio das empresas que controlam tais mineradoras como:  Samarco Mineração S.A, empreendimento conjunto das maiores empresas  de mineração do mundo, a brasileira  Vale S.A e a anglo-australiana  BHP Billitonprecisam acordar para tais questões e neste mister se faz importante que elas tomem as medidas necessárias face a gravidade em pauta. O que está em voga não são apenas os danos provocados pelo derramamento de rejeitos de minério, mas, sobretudo de vidas que se perderam e da iminência de outras tragédias. A cultura da prevenção é tudo, mas trabalha-se no Brasil sem a mínima atenção para tais questões. Esta imperícia é lástima e notável em vários aspectos da administração pública e privada. Há anos que trago a baila assuntos de alto relevo através de minhas páginas e percebo o quanto que os desleixos continuam a serem praticados. Realmente, não dá para compreender tal ignorância e não tenho como vislumbrar transformações sem que haja o mínimo de bom senso.  

  O aniversário de São Paulo era para ser uma comemoração a parte, mas não raro,  lamentavelmente tenho que linkar e discorrer sobre assuntos que precisam ser discutidos. Trata-se de uma questão de utilidade pública. Registro, aqui, o meu repúdio a esta impunidade e os meus mais sinceros sentimentos de pesar a todos os familiares e amigos das vítimas. Tenham uma excelente leitura. 



João Luciano


22 de janeiro de 2019

A Desumanidade, seus Aspectos e Um Novo Ponto de Vista

 As relações humanas entraram em um retrocesso, aterrador. Tão atroz que, sinto-me muitas vezes, reflexivo quanto a como será o futuro. Indo a hospitais por conta da saúde, deslocando-me até comércios em geral observo o quanto há de superficialidade no tratamento que as pessoas dão umas às outras. O distanciamento é algo terrível e o pior, sem generalizar, observo a frieza do corpo médico. Penso que, a medicina está sendo praticada com absoluta indiferença. Um indivíduo atende o outro com tanto descaso. São indivíduos no celular sem parar, outros nem olham para os lados, pessoas não se olham, não se tocam e o que sobrou, sem generalizar, é o olhar frio, sem o mínimo esboço de um sorriso. Assistam abaixo, o vídeo publicado pelo canal: "Zap Tube News" e reflitam sobre a vida:


  Não saboreia-se mais da brisa do vento no rosto, dos agradáveis bate-papos regados a gargalhadas, causos, músicas e do olho no olho! Coisa triste! As pessoas em razão de um sistema altamente capitalista relacionam-se por conta de conveniências, por dinheiro, não existe mais, a comumente, relação social baseada no ser, mas sim no ter. Algo terrível! Apesar das minhas imperfeições, procuro ser humano na essência da palavra, pois para mim trata-se de algo basilar. Sinto por não vislumbrar como outrora, amores verdadeiros e o desfrutar de momentos simples, mas ricos de aprendizado e do que realmente importa. Penso desta forma, porque um dos ingredientes que compõem e dão sentido a vida é o como vivemos e o sentido que damos a cada momento. Até porque ninguém leva nada deste plano físico quando morre. Lamentável notar que,  existam pessoas tão frias, calculistas, egoístas e que vivam e imaginam que atrás de um cortejo fúnebre, seguirá um carro forte com todos os seus bens, o que a rigor é um grande engano e tolice! Por um minuto, peço que todas e todos reflitam! Tudo, volto a dizer, literalmente, passa! Precisamos estudarmos e lutarmos para termos qualidade de vida. Contudo, nada disso será válido se não tivermos mãos calorosas para estendermos aos que precisam, o olhar com ternura para com os que carecem de afeto e o sorriso nos lábios para oferecer aos que sofrem em razão da solidão, descaso e abandono. Por outro lado, a essência da vida está na simplicidade e não na riqueza. O dinheiro traz comodidade, mas jamais compra ou comprará a felicidade. As análises que faço não seguem uma linha conclusiva, mas um aprofundamento necessário de acordo com o que obtive de experiências de vida, estudos e do que, observo no cotidiano. A fim de levar os seres humanos a refletirem sobre suas inquietudes, solidões, depressões, síndromes, traumas dentre outros dilemas, resolvi dissertar sobre esta complexa temática. A blindagem é um aspecto mais do que nítido nas pessoas. Os indivíduos em razão de sofrerem e provarem de inúmeras desilusões tornaram-se aprisionados em si mesmos e percebo isto no dia a dia. Uma espécie de bloqueio no intuito de não sofrer por conta da vastidão de desilusões que os marcaram. Com isto acabam ficando arredios e usam das máscaras para protegerem-se de fato.

  Caminhando por outra vertente, observa-se também o egoísmo e o individualismo como aspectos oriundos de mazelas, vivenciadas na carne.  No entanto, a meu ver, nada disto é justificativa, mas sendo empático entendo que nem todos possuem habilidades para lidar com dores e fazerem destas um meio de aprendizado e de evolução pessoal e espiritual! Tenham um excelente dia!!!



João Luciano



10 de janeiro de 2019

O Ano Novo e o Marco de Uma Nova Era

 A vida é marcada por grandes, médios e pequenos ciclos. Estes por sua vez possuem o papel, a meu ver, de dar-nos a sabedoria necessária por meio de sofrimentos ou alegrias oriundas de escolhas que fazemos ou não. Trata-se de algo importante para nós, seres humanos, a vivencia de determinados momentos sejam eles quais forem, pois sem os quais não conseguimos construirmos a plataforma na qual podemos alicerçar a nossa fundação. Uma nova Era não se dá pura e simplesmente por meio da transição de um ano para o outro, mas no processo de gestação da mudança que começa dentro de nós a partir de sonhos e projetos ,e na capacidade de pôr em prática cada um deles. Nesta direção, seguir em frente ainda que a realidade tente desanimar-nos é fundamental. Aliás, a realidade é um grande desafio, pois esta em várias nuances da vida remete-nos a desistência. O diferencial está no como agimos e reagimos diante das circunstâncias da vida. 

   A meu ver, o término de cada ano representa o fechamento de ciclos. Sejam estes marcados por sofrimentos ou alegrias. Sem os quais não teríamos como medir cada conquista e dar a cada uma delas, a importância necessária. A partir deste ponto de partida passamos a termos gratidão pelo que fomos, ao que nos tornamos e, sobretudo a Deusindependente de credo religioso. Outro aspecto interessante é a dinâmica da vida e como que as coisas se dão dentro de todo este contexto. Incrível como que a vida é um grande mistério. Entretanto, ao analisar par e passo de cada uma das circunstâncias pelas quais passamos entendo que tudo não passa de um grande quebra cabeça que se monta a partir de cada escolha voluntária ou não que fazemos. A importância de nossas escolhas define o porquê de cada situação vivenciada exceto as quais fogem ao nosso querer, no entanto, vale frisar que, há um fator chamado resistência e persistência que são na minha concepção, as molas propulsoras, capazes de projetar-nos para o alvos cujos quais, nos propomos alcançar. A vida é como uma longa estrada marcada por desertos e o que determina ou determinará a nossa chegada ao oásis está na habilidade de reinventarmo-nos a cada momento por meio da resiliência. Contudo, o que faz e fará toda a diferença reside na capacidade de driblarmos os obstáculos do dia a dia. Sem falar na sublime atitude de jamais, colocarmo-nos como vítimas, mas sim, como verdadeiros responsáveis e, portanto, protagonistas de nossa história. O triunfo sobre o medo interior, as dificuldades e sofrimentos é algo que obtemos quando resistimos e superamos com muita firmeza cada impacto que sofremos seja na perda de um ente querido, na reprovação em uma prova, no abandono, traumas e eventuais conflitos. Penso que, somos os únicos condutores de nossas vidas e perceber isto é elementar para o nosso crescimento pessoal e profissional. Trata-se de um encontro com nós mesmos. Entender a dinâmica da vida não serve só para que compreendamos as razões das dificuldades, mas também o porquê de cada conquista. Em síntese, sem querer ser redundante, tudo mostra-nos que a vida é uma equação constituída de ações e reações. Todavia,  é necessário que sempre tenhamos coragem e resistência para superarmos com coragem e ousadia cada desafio proposto.

  Não há como haver uma Era marcada por transformações sem que tenhamos claras, as nossas metas e de como as alcançaremos. Ressalto, no entanto, que a peça chave em todo um processo de mudanças está também no pensar o nosso próximo como a extensão de nós mesmos. Fala-se muita em humanidade, solidariedade e de uma cultura de paz, porém pouco vive-se de maneira humanizada no trato de uns para com os outros. Reflitam e tenham um excelente 2019 !!!


João Luciano



24 de dezembro de 2018

O Natal na Atualidade e as Perspectivas para o Futuro

  Ao fazer uma revista ao passado, olhar o presente e projetar o futuro fico bem reflexivo. As pessoas estão cada vez mais distantes do espírito natalino e consequentemente de um mundo melhor. A mesquinhez de espírito, a falta de compaixão, o distanciamento da fé e a apatia tem sido as características dos últimos tempos. Fico a imaginar o que será das próximas gerações! Vivemos uma realidade de anseio de paz por meio de discursos arraigados de uma defesa enfática da cultura de paz. No entanto, ao mesmo tempo, temos um mascaramento da realidade pratica que por vezes é tão controversa. Fala-se de um mundo melhor e não existe um olhar para o próximo, para o pobre, aflito, abandonado, moribundo e aqueles com quem convivemos. Sei que não somos seres perfeitos. Somos uma junção de defeitos e qualidades, porém o que faz a diferença no uso de nossas palavras será o legado de nossas práticas. 

  Não há como discorrer sobre uma data tão importante, sem falar da realidade social e dos dilemas cotidianos. Nos últimos tempos o Natal foi ressignificado nos corações e para muitos passou a ter pouco ou até mesmo perdeu o sentido o que, a rigor, é bem triste. A essência do amor está na solidariedade, nas saudáveis relações sociais e, sobretudo de ter no centro das atenções um Deus. digo, Deus, no sentido mais amplo e eclético da palavra, pois não defendo esta ou aquela religião. Acredito piamente no poder da fé e de práticas que caminhem lado a lado com o que falamos. Não adianta dizermos algo e seguirmos na contramão de nossas ideias. A fé é algo que está dissociado de credo religioso, haja visto que, a mesma é uma chama gerada dentro de nós por meio de um Deus que, na minha concepção, transcende a tudo que podemos compreendermos. Para muitos trata-se de uma divindade que se materializa nas leis que regem o universo e manifestam-se por meio da natureza e para tantos outros, Deus sequer existe. No último caso, é um direito. Pensando democraticamente, cada cidadão é livre para acreditar ou não em algo, para concordar ou não com determinada vertente, para expressar seus pensamentos das mais variadas formas. A questão preocupante é em que ponto nós chegamos! Em épocas natalinas e de transição de um ano para o outro víamos pessoas cumprimentarem-se, tínhamos a campanha: “Natal sem Fome”, encabeçada de maneira tão guerreira e nobre pelo saudoso sociólogo brasileiro: Herbet de Souza, mas conhecido como Betinho. Atualmente, além de não termos campanhas tão relevantes como a citada, não percebo, sem generalizar, a amorosidade que em outros tempos vislumbrava-se no ser humano. Havia ternura no olhar, atenção para com o outro mesmo que não houvesse motivos. Havia integração, as pessoas conversavam, olhavam-se nos olhos, contemplavam o amor verdadeiro que não está nos bens materiais, na mesa farta por meio de ideias incutidas por um sistema capitalista exacerbado que impera em nossa civilização. Não quero desta feita, dizer que seja ruim ganhar e dar presente e ter a confraternização em meio a uma mesa farta, mas de que a felicidade não pode estar presa ao ter, mas sim ao ser. Sei que para muitos isto é uma ideologia ultrapassada e na linguagem popular até careta, mas a meu ver, o ser é tudo. A realidade é que há muita hipocrisia em nossa sociedade, mas esta acaba-se quando tiramos os olhos do próprio umbigo e olhamos para o nosso próximo com amor, tenha este dinheiro ou não. As relações sociais estão cada vez mais dilaceradas também por conta do uso excessivo das redes sociais que tomam tanto o tempo do ser humano que este por sua vez, mal apercebe-se disto. Enfim, o amor tem esfriado a cada dia e com isso a cada novo ano deparo-me com a infeliz necessidade de trazer à baila a discussão de questões que de algum modo possam levar todos a uma profunda reflexão sobre a vida e práticas. Não tenho família e aproveito o ensejo, para dizer a todos que sofrem pela perda de um ente querido que: tudo passa e o mais importante está no valor que damos em vida aos que estão a nossa volta. Não digo que, não haja certa tristeza, nostalgia. Normal. Contudo, venci todas estas dores e venço dilemas até hoje, com bravura e resistência. Não deixe de abraçar quem você ama e de dizer o quanto esta pessoa é importante para você. Hoje não tenho família de sangue, mas de coração. Pessoas especiais que surgiram em minha vida. Fica a minha gratidão a cada uma delas e, sobretudo a Deus que até aqui tem estado ao meu lado. 

  Desde já, aproveito para registar a minha imensa gratidão aos milhares de amigos e leitores que durante todos estes anos acompanharam e acompanham minhas obras, seja no Brasil e no mundo. Fico realizado em entender minha missão e de contemplar o quanto minhas palavras de algum modo estão indo de encontro a tantas pessoas que precisam. No ano de 2019, darei sequência ao desenvolvimento de novas matérias, com a certeza de que o maior legado de um ser humano está no lutar por novos e melhores dias! Feliz Natal e um Ano de 2019 repleto de saúde, paz realizações, alegrias e amor para todos!!!



João Luciano. 



12 de dezembro de 2018

Os Dilemas da Vida e a Importância da Superação

  Os dilemas da vida são incríveis e ao mesmo tempo um grande mistério. Existem dores que consomem nossas almas de modo indescritível, tristezas profundas e muitas vezes, até inexplicáveis. Dores a que todos são passíveis de vivenciar. Não há uma origem certa, palpável. Trata-se de uma dor intangível que acomete milhões de pessoas mundo afora tais, como: síndrome do pânico, depressão, angústias e que, nem sempre, muitos a compartilham, pois é doloroso sentir e falar, haja visto que, para tal é necessário uma visita ao passado em muitos casos, para entender o surgimento de determinados sintomas que determinaram tal problemática. Assistam na reportagem, abaixo, a constatação de um dos maiores dilemas dos últimos tempos, "a síndrome do pânico",  através de uma marcante e reveladora entrevista do padre: Fábio José de Melo Silva, mas conhecido como: "Padre Fábio de Melo" ao programa: "Conexão Repórter" do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), apresentado pelo jornalista: Roberto Cabrini:


                                                       
 Tratam-se de sentimentos aterradores e não há como dimensioná-los, pois vão variar de pessoa para pessoa. Contudo, há médicos especializados em todo o Brasil e no mundo para oferecerem tratamentos necessários para que tal paciente possa ter uma vida normal. Existem psicoterapias e caso necessário, a intervenção com medicamentos por um determinado tempo. A vida projeta-nos a situações, circunstâncias e dilemas que não deixam margem para que paremos e reflitemos e isto pode colaborar para um processo de adoecimento da alma e do corpo por meio do psicológico que não nos cobra de momento, mas que a médio ou longo prazo manda inevitavelmente, uma alta conta para ser paga. Escolhas erradas, alimentação deficitária, infelicidades, perdas, frustrações e decepções profundas ocasionam uma série de problemas no campo emocional. Trata-se de um erro incorrigível, pois não devemos projetarmos nossas expectativas em quem quer que seja! Outro fato importante é que as desilusões são a prova cabal de uma ilusão criada a cerca de alguma coisa ou de alguém. A auto responsabilidade é a palavra de ordem e é fundamental que ao fazermos uma revista ao passado tenhamos a sinceridade de admitirmos para nós mesmos, as nossas incoerências, por sermos simplismente, seres humanos. Logo, seres imperfeitos. O corpo humano passa por momentos limites e suporta com grande maestria, inúmeros abalos, mas exatamente por conta deste desdobramento que o organismo precisa fazer para suportar tais dilemas, a conta vem cara no futuro por meio de sintomas diversos que gritam para nós do quanto precisamos de ajuda. Não trata-se de algo fácil, porém é imprescindível que haja tratamento e que nesta direção sejam feitos todos os tratamentos pertinentes, seja por meio de medicamentos ou mesmo por meio de sessões de psicoterapia.  Ainda há preconceitos no tocante ao tratamento, haja visto que, os tratamentos  psicológicos eram tidos e ainda o são, em parte, como algo que só devia ser prestado a quem possuía alguma psicopatia.  A época, as pessoas que tratavam-se de algum mal estar era atríbuido o nome de psicotapa etc. Atualmente, por mais que o preconceito ainda permeie a menatalidade de muitos é sabido que os tratamentos para a sindrome do pânico, depressão,  dentre outros transtornos são fundamentais. O preconceito como todos podem perceber caminha lado a lado com a ignorância dos que não sabem lidar com os dilemas dos últimos anos. O sofrimento é algo sem precedentes e os tratamentos são fundamentais. Neste sentido, a fé é um instrumento vivificante para quem passa por momentos de desalentos como estes. As milhoes de pessoas que passam por tratamentos ou que sentem que estão precisando do mesmo, não deixe de procurar ajuda. As dores dá alma são sanadas por meio da fé e da perseverança, porém os tratamentos volto a dizer, são fundamentais.

     Neste sentido, não deixe de cuidar-se, já os famíliares, amigos e mesmo aqueles que não possuem algo parecido, fica a reflexão de que, jamais deve-se julgar alguém, discriminar, pois o dia de amanhã é incerto para todos nós. Ajamos com amor e compaixão para com todos que chegarem até nós.



     João Luciano Silva da Costa




27 de novembro de 2018

Perfis Falsos, os Famosos e os Perigos das Redes Sociais

  As redes sociais tornaram-se meios para a manipulação de informações, difamações, agressões gratuitas e isto leva-me a analisar o caso, haja visto que, as relações sociais dão-se basicamente por meio delas, atualmente. Em meio a uma nova era marcada por avanços tecnológicos que, nem sempre, são bem utilizados por muitos. Por conta da violência e outros dilemas, muitos preferem relacionarem-se por meio de sites de relacionamentos, mas muitos nem imaginam que por de trás de um perfil possa haver um fake, ou seja, um perfil falso. Pessoas utilizam-se dos perfis de famosos e de anônimos para destilarem maldades sem precedentes. Privacidades invadidas por haters, ou seja, aqueles que disseminam o ódio nas redes sociais. Assistam abaixo, por gentileza, a entrevista do cantor, no caso em questão: Wesley Oliveira da Silva, mas conhecido na mídia como: "Wesley Safadão" e de sua esposa: Thyane Dantas ao programa: "Conexão Repórter" do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), apresentado pelo jornalista: Roberto Cabrini:


                                             
  
   Trago para o centro das discussões, um caso que envolve famosos, mas que serve, absolutamente, de alerta para todos nós cidadãos. Os perigos iminentes nas redes sociais são a prova viva de que há qualquer pessoa que esteja imune de ter seu perfil invadido ou mesmo de que outras pessoas criem um perfil parecido, no caso, os fakes. As consequências são terríveis, mas infelizmente, isto tem feito parte do cenário social, atual. Trata-se de um assunto da mais alta relevância e que, precisa ser debatido, combatido e banido. As pessoas que agem por trás de perfis falsos precisam ser descobertas e punidas. Logo, a sociedade precisa ter consciência de como perceber um perfil falso e de como agir. Sem falar nas situações em que temos crianças que podem ser persuadidas e acometidas de pedofilia dentre outras violências. Um preço alto para aqueles que fazem das redes sociais um meio de interação. Não tenho nada contra as redes sociais. Muito pelo contrário, até porque faço uso delas, mas utilizo-me de tais meios para divulgar minhas páginas e levar a todos, momentos de reflexão, como o do tema em questão, onde trato sobre este que, a meu ver, é um assunto de extrema utilidade pública. Alguns cuidados como verificar os perfis, o tipos de postagens, se são ofensivas ou não, o diálogo do interlocutor e ao marcar algum tipo de encontro procure informar a familiares e procure fazer com que este encontro seja em local público. Isto vale para os perfis cujos quais, você não conheça. Todo o cuidado é pouco. Escrevi há alguns anos sobre a temática com o título: “As Redes Sociais dentro do Contexto Social”, como segue o link: https://jluciano442.blogspot.com/2015/07/as-redes-sociais-em-foco.html. Há anos que, procuro promover as relações humanas, combato desigualdades dentre diversas outras questões. Reflito sobre o sentido da vida e de como cada um lida dentro do contexto de vida que possuí. O tema em pauta projeta-nos a uma densa reflexão sobre vários aspectos dentre eles, o de como as relações sociais estão sendo pulverizadas por um tissunami de informações e da obcecada maneira de utilizar as redes sociais. Um vicio que beira a patologia e que em alguns casos pode gerar uma dependência quase que comparada ao uso de drogas dada a avides com que muitos usam as redes sociais e deixam de terem uma vida normal, deixam desde fazer a simples higiene pessoal a própria alimentação de lado. Quando o assunto é família, nem se fala. A desagregação familiar tornou-se algo cada vez mais presente e isto é terrível. Sem interação e com os iminentes perigos das redes sociais fico a imaginar aonde iremos pararmos. Nada substituí o olho no olho em um diálogo, na construção de uma amizade etc, mas já que vivemos em uma pseudo-modernidade e digo isto, pois o ser humano consegue projetar máquinas fabulosas e ao invés de evoluir como tal a cada dia que passa entramos em um progressivo retrocesso onde nem pais e mães conseguem dialogar com seus filhos. Os problemas no tocante as relações humanas, sempre, existiram, mas não como nos dias atuais. Há os que defendam que vivemos em outros tempos, porém este discurso, na minha concepção, é razo quando extrapolamos as barreiras das discussões e observamos no dia a dia o quanto que as pessoas estão cada vez mais distantes uma das outras e intolerantes no ouvir. Sem frisar inúmeros outros aspectos.

   Este caso merece muito atenção. Autoridades precisam atualizar, com urgência, os mecanismos de rastreamento e de cassada a praticantes de crimes cibernéticos. Reflitam e tenham um excelente dia!


João Luciano Silva da Costa


20 de novembro de 2018

A Consciência Negra e uma Reflexão sobre a Atualidade

   A data de hoje, 20 de novembro, trata de um tema muito importante e ao mesmo tempo paradoxal, o "Dia Nacional da Consciência Negra".  Em um país que não valoriza a  cultura fica difícil falar sobre consciência. No entanto, adentrando a várias nuances, torna-se pertinente, notar e frisar determinados contrassensos. Acompanho com atenção e ao mesmo tempo com indignação, os preconceitos e as diversas formas com que muitos, indivíduos o manifestam. Tais discriminações são o ápice do retrocesso humano. Engana-se quem pensa que, o preconceito é algo que parte, exclusivamente, dos brancos para com os negros. No segundo parágrafo tratarei desta questão. Existe uma linha tênue entre a hipocrisia e a abolição, ou seja, extinção do racismo. Assistam  na reportagem, abaixo, a constatação de um dos maiores males da sociedade, "a discriminação", no programa: "Conexão Repórter" do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), apresentado pelo jornalista: Roberto Cabrini:


                                                     

  Penso  e sabemos que não resta a menor dúvida quanto a existência de racismo de brancos para com os negros, porém é altamente importante que abramos a discussão sobre todas as vertentes que envolvem a temática, dentre os quais, os das próprias incoerências por de trás de vertentes ideológicas que estão muitas vezes, arraigadas de contradições. Digo isto, porque na minha concepção, está no encontro com nós mesmos e com o outro, quer seja no dia a dia ou não, o caminho para um diálogo sensato. No entanto, é importante ver e analisar o que é racismo de fato ou vitimização. Temos a discriminação da cor da pele e temos os que vivem com o estigma, ou seja, uma marca do passado de que estão em qualquer tratativa com o outro, sendo vítimas de algum tipo de discriminação. Daí a importância da consciência de diversos aspectos, haja visto que, sem generalizar, negros agem e reagem como racistas e fazem da vitimização uma bandeira de luta contra o que possuem em seu próprio interior. Logo, temos um agravante, porque como podemos lutar contra algo que está presente no próprio negro. Precisamos olhar os dois lados e encarar a realidade. Ao observar a partir do convívio que tenho com as pessoas, do que leio e percebo, o racismo, está presente entre os negros de maneira aterradora e preocupante. Não adianta lutarmos por avanços sem que, projetemo-nos para dentro de nós mesmos e tenhamos consciência de nossas próprias incoerências, enquanto seres humanos imperfeitos que, somos. Muitos negros, por um lado defendem seus ideais e por outro são mal-educados, arrogantes quando ocupam cargos de destaque e, praticam de arrogância com o seu próximo que possuí a mesma cor. Daí passamos a entendermos o fundamento de muita coisa e do que precisa haver para que tenhamos evolução humanitária. Trata-se de um fenômeno que transcende as barreiras já discutidas pela sociedade. Sem falar que por outro lado, nossa humanidade traz por conta de um ranço histórico, tantas outras discriminações como; a importância da posição social, com relação a roupa simples de uma pessoa, a obesidade, homofobia, a discriminação com o catador de lixo, com a empregada doméstica, dentre tantos outros. Penso que, quem não olha e valoriza os que limpam o chão que pisamos sequer possuem dignidade para andar neste chão. Ao analisar os fatos fica evidente a podridão. As palavras precisam ser acompanhadas de atitudes coerentes. Como medir alguém pela cor da pela, roupa, credo, opção sexual, função de trabalho. Absurdo. Como se todos fossem levar no caixão suas vaidades, roupas, carros, casas e pertences. A humanidade precisa acordar para a realidade. A mediocridade de algumas pessoas é algo surreal. Os preconceitos são uma das características mais terríveis e inaceitáveis.  Escrever sobre vários aspectos é importante e não busco agradar a todos, mas sim, de forma propositiva, fazer com que todos reflitam sobre o sentido da vida, lemas, incoerências a partir do aprendizado cotidiano que obtenho por meio de muita reflexão e estudo. Discutir a consciência negra é fundamental, mas entender a realidade dentro do que ocorre na atualidade, ou seja, nos dias de hoje, permiti-nos fazermos um denso mergulho e perceber o quanto ainda é necessário para que cheguemos a plena igualdade. O racismo é um dos maiores desafios a serem vencidos e discutir par e passo de cada detalhe desta questão é válido. Não possuo e nem tenho a pretensão de possuir a verdade absoluta, até porque cada um tem uma ideia sobre cada fato, mas tenho como finalidade trazer a baila uma reflexão desta magnitude a fim de que, neste dia,  todos raciocinem e, tenham verdadeiramente, alguma consciência. Outro fato interessante e destacável é que a escravidão ainda existe, só que de modo legalizado quando arranca-se de um empregado seja ele negro ou branco o sangue em trabalhos pesados e sem a miníma condição de segurança, sem justa remuneração. Isto é perceptível quando o trabalhador no final do mês percebe que o que ganha mal dá para o seu sustento e o de sua família, sem contar a falta de reconhecimento de algumas empresas para com estes.

  Enfim, não temos, a meu ver, como ter um mundo mais justo e com igualdade, sem que encontremos e combatamos as desigualdades existentes em nós mesmos. Tenham um excelente dia e consciência!!!



João Luciano Silva da Costa


13 de novembro de 2018

O Poder Judiciário e as Controvérsias do Sistema

 O sistema judiciário as voltas com os possíveis casos de injustiças é algo conhecido e preocupante. No entanto, não era para que nós encontrássemos equívocos no âmbito jurídico. Muito embora, a justiça seja representada por uma, estátua com a venda nos olhos, como é visto na imagem ao lado, em frente ao STF (Supremo Tribunal Federal Brasileiro), com a conotação de que, “a justiça é cega”. Os equívocos jurídicos, não é de fácil concepção, já que, há todo um conjunto probatório constituído de evidências que são avaliadas por indivíduos que são doutos de conhecimento. Passíveis de erros, mas altamente capacitados para representarem o estado no aprisionamento de indivíduos que possam representar uma ameaça à ordem, ao bem comum e a paz coletiva. Assistam, abaixo, por gentileza, a entrevista de uma jovem que foi presa e é um suposto caso de erro no sistema jurídico, ao programa: "Conexão Repórter" do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), apresentado pelo jornalista: Roberto Cabrini:




 Diante da supra preliminar é importante que nós reflitamos sobre a desigualdade social e a conveniência da justiça feita para ricos em detrimento dos menos favorecidos. Atendo-me aos parâmetros da literatura jurídica, percebo que, as controvérsias do sistema judiciário beiram ao retrocesso. Analiso diversos aspectos e observo o quanto é paradoxal, a maneira com que, geralmente, a justiça é aplicada no Brasil. As palavras estão distantes da prática. Sistemas que não evoluíram, muito embora, haja tantos juristas de respeitabilidade e de notório conhecimento que,  zelam e lutam para fazerem a diferença. Trata-se de um grande desafio. Não posso deixar de trazer a baila, o Princípio da Isonomia, tratado no artigo 5° da  Constituição Federal. O princípio isonômico determina que todos são iguais e como tal devem serem tratados. No trato de questões sociais dentre outras, observamos que isto não passa de uma falácia em determinadas questões. Lamentável, mas os que não possuem poder econômico, ou seja, dinheiro padecem no mar do esquecimento. A justiça é algo que em muitos casos não representa a essência que possuí sua palavra e, isto só revela o mais absoluto contrassenso e consequentes irregularidades existentes em um sistema cujo qual foi construído com a finalidade de salvaguardar os direitos e garantir o cumprimento dos deveres de todos. Isto é o que deveria acontecer, mas não ocorre. Ao estudar os meandros da justiça fica a constatação de situações surreais. Fala-se de preconceito, desigualdade e encontrar isto dentro do contexto de uma instituição que está estabelecida para representar os direitos da civilização é inaceitável. Não sou e nem quero ser aqui, um arauto de bons costumes e de pseudo moralidade, mas a sociedade precisa posicionar-se. Penso que, adentrar em determinados assuntos, no tocante ao Poder Judiciário é tocar em um verdadeiro barril de pólvora que, sociologicamente falando, levam-nos a um cenário estarrecedor, pois são falhas graves. Isto leva-me a concluir que o sistema jurídico brasileiro necessita de leis mais rígidas e atuais. Sem falar que, temos milhões de cidadãos, sem a cultura de buscar saber os seus direitos. O poder econômico e a falta de celeridade dos processos em curso, a rigor, fomenta, promove a morosidade da justiça e a desassistência do povo menos favorecido, dentre tantos outros problemas. A Constituição federal oferece por meio da Defensoria Pública, com assistência judiciária promovida pelo poder público sem custos a população, haja visto, os impostos que pagamos. Sem falar na nomeação de advogado dativa, em casos aonde não há meios para que o cidadão carente tenha acesso a Defensoria Pública. Sem falar que, temos a bem de todos, os Juizados Especiais Cíveis  e Criminais, constituídos pela lei 9.099/95.  Saibam mais acerca dos Juizados Especiais no link a seguir: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9099.htm. A distancia entre a teoria e a prática que deixa-me insatisfeito com poder judiciário. No entanto é importante frisar que, o mesmo utiliza-se de leis retrógradas que precisam ser atualizadas. A rigor, sabemos que quem cria e atualizar a legislação vigente são os parlamentares, ou seja, daí fica ainda mais cristalino, o porquê da minha veemência em combater a corrupção e trabalhar levando reflexões sobre tantos fatos ao povo. Nada muda sem que, haja interesse político. Para  tanto, precisamos termos um povo que mobilize-se e exija o cumprimento de seus direitos.

 Enfim, nossas instituições precisam ser reformuladas e o cidadão  conscientizado. Reflitam e tenham um excelente dia!!!



João Luciano Silva da Costa.  


4 de novembro de 2018

A Importância do GRAACC no Combate ao Câncer Infantil

  Hoje, 04 de novembro, comemora-se 27 anos de exitosos trabalhos prestados a sociedade pelo GRAACC(Grupo de apoio ao adolescente e a criança com câncer). Uma instituição renomadíssima que tem a sua frente, profissionais do mais alto gabarito. No entanto, o que credencia e gabarita tais profissionais é algo que, a meu ver, transcende as fronteiras de seus conhecimentos técnicos. O que torna tais profissionais ainda mais valorosos é o amor e a esmerada dedicação diária e incondicional com que prestam seus serviços ao próximo, no exercício da medicina, como um verdadeiro sacerdócio. Algo fundamental e fantástico de ver. Crianças e adolescentes que sorriem em meio aos dolorosos dilemas da vida. Um exemplo para todos, nós! Assistam, abaixo, as entrevistas das crianças e adolescentes que tratam-se do câncer e são atendidas pelo GRAACC dada ao programa: "Conexão Repórter" do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), apresentado pelo jornalista: Roberto Cabrini:


  O hospital Graac nasceu no estado de São Paulo em, 1991 e desde, 1998 tem uma parceria técnico-cientifica com á UNIFESP ( Universidade Federal de São Paulo), a fim de  atender as milhares de crianças e adolescentes com câncer. A supra instituição promoveu e, assim o faz habitualmente, eventos no intuito de angariar verbas para a manutenção de seus trabalhos e dar continuidade ao atendimento as crianças que chegam através de seus familiares, haja visto que, trata-se de uma instituição social sem fins lucrativos. Jamais poderia deixar de escrever e dedicar o meu imenso e incondicional respeito e carinho a todos que compõem o GRAACC, uma instituição de excelência que exercita o amor de maneira emocionante a inúmeras crianças e adolescentes com Câncer. Em meio a tanto desamor e de poucos gestos de solidariedade trago para o centro das discussões questões pertinentes a evolução das relações sociais. Na minha concepção, o maior câncer não está necessariamente materializado em uma célula cancerígena, mas sim na falta de amor de um ser humano para com o outro, no levantar-se da cama com plena saúde e vitalidade e reclamar de tudo e de todos, na preguiça de fazer o bem, no egoísmo, na indiferença, na intolerância, soberba, ignorância, negligência, corrupção, no racismo, na homofobia dentre tantos outros casos. O enaltecimento de uma instituição como esta é algo de ultra importância, pois a dignidade de tais profissionais desde o mais simples até os que ocupam o mais alto escalão trata-se de algo incomensurável. Sem falar dos voluntários que se dedicam a causa com tanto amor. Amor é uma palavra linda, mas que nos últimos tempos tem estado muito ausente nos corações de milhares de pessoas quer seja no Brasil ou no mundo. A humanidade precisa acordar para o entendimento de que, as mazelas sociais enfrentadas pelo Brasil e o mundo não serão resolvidas sem que, antes haja amor. O Brasil viveu tempos de muita euforia por conta das eleições sob o anseio de que tenhamos um futuro melhor, mas não existe a mínima condição de termos um mundo melhor caso não tenhamos pessoas, verdadeiramente, humanas. Fico sentido que, ao enaltecer uma instituição como esta, eu tenha que tocar em tantas outras questões como o desamor. No entanto, não há como falar de algo que leva e proporciona amor a tantas crianças, sem frisar a indiferença presente em tantos corações no mundo. Até porque não vejo um mundo melhor com uma humanidade desumanizada. Tudo começa, é nutrido e mantido por meio do amor e este tem que prevalecer mesmo em eras em que tal palavra, amor, não seja tão acolhida e fala de dentro para fora. Segue o link da instituição para os que desejarem ajudar de alguma forma tal instituição: https://graacc.org.br/doar/.

  Concluo felicitando a todo o corpo médico do GRAACC, bem como a todos os funcionários de um modo geral. Desde os mais simples funcionários até á presidência da renomada instituição!


João Luciano Silva da Costa. 


29 de outubro de 2018

A Essência da Democracia e os Resultados das Eleições

  Ao lado, algo que representa bem, o poder de um regime presidencialista, bem como a transição de um governo, a faixa presidencial. Isto posto, ontem, 28 de outubro, tivemos a eleição do novo presidente do Brasil, Jair  Messias Bolsonaro, mas conhecido, popularmente, como: Bolsonaro. O direito de eleger alguém que represente o povo em um sistema governamental de um país está assentado e caracteriza-se pelo poder soberano do povo. Novamente, no tocante as eleições, eu não poderia deixar de discorrer acerca da essência da democracia, bem como o resultado das eleições. A meu ver, um governo precisa respeitar, absolutamente, a democracia e os direitos constitucionais vigentes, tais como: a livre manifestação de pensamento estabelecida no artigo 5° inciso IV, bem como a liberdade de imprensa estabelecido no artigo 220° conforme os parágrafos §1°,§2° e §3° da Constituição Federal, a fim de que, não vivamos, novamente e, jamais uma nova ditadura, com a retomada da censura aos meios de comunicação em geral, o que, a rigor seria algo descabido e inaceitável. Assistam, abaixo, a primeira entrevista, como presidente eleito, de Bolsonaro ao programa: "Conexão Repórter" do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), apresentado pelo jornalista: Roberto Cabrini:

     
  No primeiro artigo que publiquei nesta série de artigos sobre as eleições tratei do tema: "A Presidência do Brasil e a Importância do Voto Consciente". Segue o link: https://jluciano442.blogspot.com/2018/10/a-presidencia-do-brasil-e-importancia.html, depois falei sobre: "O Segundo Turno das Eleições e Uma Reflexão sobre os Fatos".  Segue o link: https://jluciano442.blogspot.com/2018/10/o-segundo-turno-das-eleicoes-e-uma.html e hoje, publico artigo, cujo tema é: A Essência da Democracia e os Resultados das Eleições", onde trago a baila para o centro da reflexão, os Objetivos Fundamentais da República Federativa do Brasil, a saber: inciso I: Construir uma sociedade livre, justa e solidária; inciso II: garantir o desenvolvimento nacional; inciso III: erradicar a pobreza, e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais e o inciso IV: promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.  Acrescento o respeito a todos os credos religiosos.  Diante do exposto, observei que, ao longo das eleições os discursos foram norteados por insultos, ofensas inflamadas de ódios e intolerância. Sem falar na pobreza de propostas no âmbito da saúde, educação, segurança dentre outras áreas. Infelizmente, cada vez mais o Brasil afasta-se da via da discussão e opta pela polarização e o radicalismo. Falou-se muito em Direita X Esquerda e nesta linha tivemos milhões de pessoas verbalizando a defesa de seus ideais de maneira extremista,  violenta o que não é nada saudável a democracia e a liberdade de expressão. O candidato vitorioso terá em mãos desafios incomensuráveis. Penso que, perderam-se oportunidades ímpares de que tais candidatos discutissem propostas a fim de que, todos nós cidadãos, tivéssemos como conhecer mais sobre o que cada candidato pensa, muito embora, seja pelas redes sociais ou mesmo por entrevistas quem quis tirar algumas conclusões teve de certo modo alguma percepção exceto os casos nos quais pairam suspeitas de manipulação da informação. Muitos neste momento estão felizes sob o discurso de que a partir de 2019 passará a vigorar um novo sistema, porém, todos os cidadãos precisam sair da euforia e focar-se na realidade. A situação do país é gravíssima. Acompanhar e cobrar o que foi prometido será fundamental. Não defendi a candidatura dos dois candidatos que estiveram em voga no segundo turno das eleições, mas espero que, todos nós, brasileiros consigamos vislumbrarmos, de verdade, a partir de práticas efetivas e não de discursos vazios,  um país justo e igualitário para todos e, a defesa das minorias, bem como o estabelecimento da cultura de paz. Deixo a todos, a reflexão sobre o respeito a individualidade. Não podemos vivermos bem em um país, onde as pessoas agridam-se em razão de possuírem uma opinião diferente. Isto fere a Constituição Federal e o regime democrático. A essência da democracia e da liberdade de expressão é o respeito a expressão de ideias diferentes. Todos os dias deparamo-nos com uma realidade de violência, onde pessoas inocentes perdem suas vidas, seja por assalto, conflitos em favelas, intolerâncias etc. Não adianta querermos um mundo melhor sem que ajamos de acordo. A violência só produz violência ao passo de que o amor fomenta, ou seja, promove a construção e a reconstrução por meio da pacifismo. O país precisará ser passado a limpo, ter sua economia aquecida para a geração de empregos, assim como ter a sua imagem reconstruída diante dos outros países. Para tanto, o novo presidente e sua equipe de governo precisarão ter muita cautela, bem como fina e consistente  articulação no campo diplomático. Vale frisar que, nenhum presidente governa só e que este precisará ter seus projetos aprovados no congresso nacional. Logo, raciocinem que muitos não pensam, mas nestes casos o poder dos deputados e senadores serão fundamentais.  Daí o peso de em quais políticos foram eleitos porque dependerá deles a aprovação de projetos. Desafios indescritíveis estão por vir e diversas reformulações necessitam ser feitas. Desejo vitória a todos nós por meio da concretização de projetos e a viabilização de uma vida com dignidade para todos! Que voltemos a contemplarmos a "ordem e o progresso", palavras que marcam a bandeira nacional brasileira.

 Nos próximos quatro anos, precisaremos mais do que nunca, estarmos unidos e dentro desta perspectiva acompanharmos com muita seriedade e serenidade os novos governantes do Brasil. 


João Luciano Silva da Costa.


25 de outubro de 2018

O Segundo Turno das Eleições e uma Reflexão sobre os Fatos

 Trata-se de uma questão ultra delicada, a situação pela qual, milhões e milhões de brasileiros enfrentam. O Brasil sofre em todos os aspectos. O papel do eleitor brasileiro no próximo dia, 28 ultrapassa as fronteiras de um simples ato de eleger um presidente. Nós, cidadãos brasileiros, estamos diante de uma realidade extremamente complexa e, por vezes, aterradora, assustadora. Está em jogo, as condições de vida de todos nós, bem como a das próximas gerações. Não há como ir às urnas sem esta consciência. Aliás, a consciência é tudo. Observo a discussão de inúmeros fatos sem, minimamente, saber o fundamento de cada um deles, assim como vejo também o acirramento de debates infindáveis e a falta de diálogos respeitosos. Um misto de intolerância e falta de empatia. Isto não representa a essência de uma democracia que caracteriza-se dentre outras coisas, pela livre manifestação de pensamento. Assistam, abaixo, a entrevista com os candidatos a presidência da república: Fernando Haddad e Bolsonaro dada nesta reta final ao programa: "Conexão Repórter" do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), apresentado pelo jornalista: Roberto Cabrini:




   Diante do breve exposto e do artigo no qual discorri antes do primeiro turno das eleições cujo tema foi: "A Presidência do Brasil e a Importância do Voto Consciente". Segue o link:http://jluciano442.blogspot.com/2018/10/a-presidencia-do-brasil-e-importancia.html.Não poderia como escritor, furtar-me de tecer aqui, uma densa reflexão sobre os fatos. Temos um quadro caótico de desigualdade social que no atual contexto beira ao insuportável, mazelas de todas as ordens, educação precária, professores desmotivados, saúde abandonada, falta saneamento básico etc. Penso que, são consequências de uma sequência de equívocos provocadas ao longo de anos por governos que não tiveram e não têm a mínima sensibilidade para com um povo tão sofrido que morre muitas vezes, nas filas dos hospitais, à espera de atendimentos básicos, sem medicamentos etc! Sem falar que, temos tantos outros cidadãos padecendo em filas intermináveis por todo o país em busca de uma oportunidade que seja para levar o sustento aos seus familiares. Cenas tristes que comovem e de certo modo projeta-nos a uma indignação muito grande, pois tudo isto não era para estar acontecendo caso tivéssemos tido políticos que de verdade pensassem e lutassem pelos interesses do povo. O povo, sem generalizar, optou por candidatos que possuem discursos pobres. Discursos ricos em ofensas e desprovidos de propostas. Discursos movidos pela polarização, radicalização. Nosso país precisa de propostas que permita-nos a analise do que de fato será feito, ou pelo menos poderá ser feito e isto não está acontecendo. De um lado, temos ainda, um quadro onde não teremos o debate público de ambos os candidatos em televisão, o que a rigor, é algo imprescindível para análise do povo. Não defendo bandeira política e no momento, sinceramente, os candidatos em disputa não representa-me, mas fica aqui, o meu respeito a todos e independente disto, há uma escolha a ser feita. De outro lado temos não posso deixar de destacar importância da "Operação Lava Jato",  que, promoveu a prisão de políticos corruptos que em nada representavam os nossos direitos. Em dado momento da história, tivemos uma fase de reconstrução da imagem no âmbito externo com outros países e, agora, o país encontra-se com sua imagem desgastada, com uma dívida astronômica. Como imaginar isto em um país como o Brasil, terra de um povo hospitaleiro, de solo fértil e com possibilidades estupendas de tornar-se um país de primeiro mundo. O problema é que não há a promoção da cultura e sem isso, nenhuma nação vai adiante. Em que ponto chegamos. Sem cultura não há diálogo, embora em determinados casos haja uma relatividade sobre esta questão. Até porque a educação no trato para com o outro, o respeito e o bom senso são características vindas de uma educação dada em casa. Digo isto, pois observo os pontos e contrapontos que todos fazem ao postar em redes sociais, suas opiniões e em muitos casos percebo o quando acidas, são as colocações que por vezes ocorrem em caráter agressivo sem o minimo respeito de que, as pessoas podem e devem pelo princípio democrático defender suas opiniões, mesmo que tal ou tais opiniões não vá de encontro com a ideia do interlocutor. 

 Precisamos discutir as questões com respeito e muita cautela, pois no calor das emoções não resolve-se nada. O Brasil passa por um de seus piores momentos e para a solução de tal necessitamos analisar cada ponderação com repeito a individualidade do próximo a fim de que, consigamos chegar a um denominador comum, ou seja, a uma solução eficaz para todos. Desejo a todos os brasileiros um voto consciente.


João Luciano Silva da Costa


15 de outubro de 2018

O Dia do Professor e o Descaso do Governo

  Trata-se de uma satisfação indescritível para mim, falar aqui, de uma função tão nobre e fundamental, a de professor. Uma profissão de imensa importância para a sociedade, mas que não é acolhida e reconhecida como devia. Comemora-se o dia do professor todo dia, 15 de outubro de cada ano no Brasil e no dia, 5 do mesmo mês a nível mundial conforme o estabelecido pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). O Brasil passa por um de seus momentos mais adversos e uma das razões que projetou o mesmo para tais momentos difíceis foi e tem sido o descaso com a educação. Certamente, trata-se de uma das áreas mais desprezadas pelos governantes brasileiros e isto precisa ser visto e revisto urgentemente. Não adianta os políticos fazerem promessas e ficarem só no campo das palavras sem atitudes efetivas. O povo está cansado de tantas mentiras. Sem falar no descaso do governo com a  classe docente no tocante a salários  e a qualidade da educação no Brasil. 

 Não adianta querer discutir a qualidade da educação sem debater o aumento do salário destes profissionais tão fundamentais e ao mesmo tempo tão desrespeitados e abandonados pelo poder público. Envergonha-me enquanto cidadão e escritor discorrer sobre esta tão triste realidade. A educação é um dos direitos sociais, defendido e regulamentado pelo artigo 6° da Constituição Federal Brasileira. Vale ressaltar que, o referido artigo trata não só da educação, mas de um conjunto de direitos sociais. Penso que, os professores são os responsáveis pelo desenvolvimento de um país, haja visto que, sem educação não existe mudança e uma sociedade iletrada é uma sociedade constituída de um povo que não possuí, minimamente, condições de mobilização para reivindicar por seus direitos. O que observo é um país que despreza a educação por uma questão que já discorri em vários artigos que fiz. Um povo sem conhecimento é conveniente para o governo que passa a facilmente manobra-lo sem que este ao menos questione. Isto posto, fica o mais absoluto desrespeito com a população que é tratada como refém de um governo por desconhecer sua força e, por outro lado a falta de interesse da própria sociedade em buscar, pesquisar e reclamar seus direitos. Caso todos nós, cidadãos fossemos unidos em prol da luta por nossos direitos não haveria tamanha bagunça como há, atualmente. Defendo a tese de que não há como país algum evoluir sem educação e para termos educação é necessário que tenhamos bons professores e um governo sério. Na minha concepção, ser professor é um sacerdócio e alguém que aspira ser uma professora ou professor precisa ter antes de tudo amor pelo que faz. Não adianta ser professor para tornar-se apenas mais um. Todo e qualquer profissional precisa esmerar-se para fazer um trabalho diferenciado. Não é ser melhor do que quem quer que seja, mas sim o melhor no que faz. Para tal precisa haver dedicação. É inaceitável que vejamos políticos ganharem salários altíssimos, assim como em outras funções no país e o professor ser tratado com desprezo. Enquanto não houver governantes que deem importância para a educação não teremos um país melhor. Discuti-se sobre armamento da sociedade, maioridade penal, mas não está em debate como devia políticas públicas voltadas para promoção da educação como forma principal de garantir o desenvolvimento da sociedade e consequente combate erradicação da violência. Ao analisar par e passo das questões encontro inúmeras incoerências. Espero que todos, reflitam profundamente, sobre todos estes aspectos e no dia do segundo turno das eleições vote consciente e não movido pelo calor das emoções. Levando o seu voto a sério ou não, saiba que depois não adiantará reclamar. A hora de pensar e pesar os prós e os contras de cada  candidato é agora.  Desta feita, certa vez, um grande poeta chileno: Pablo Neruda, disse: " Você é livre para fazer escolhas, mas prisioneiros das consequências". Reflita!!

  Penso sobre todos os aspectos que envolvem a temática e fico imaginando até quando esta bagunça continuará. Um país dos descasos, desigualdades, abandonos e incoerências. Tenham um excelente dia!!!


João Luciano Silva da Costa